[TREINOS] Freya Magnum

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[TREINOS] Freya Magnum

Mensagem por Freya Magnum em Dom Jul 16, 2017 11:46 pm

Treinos

Tópico destinado aos treinos de Freya Magnum. Peço, encarecidamente, que ninguém além dos avaliadores poste sem a minha devida autorização. Os horários, clima e demais informações de cada treino estarão sempre em cada postagem da jogadora, sendo desnecessário e até mesmo impossível coloca-los aqui.

Código:
<center><br><link href='http://fonts.googleapis.com/css?family=Alex Brush' rel='stylesheet' type='text/css'><div style="font-family: Alex Brush; font-size: 30px; letter-spacing: 1px; text-align: center; color: #B40404; width: 550px;">Titulo da Postagem<div style="color: #000; font-size: 10px; font-family: calibri;  text-align: center; width: 550px; padding: 2px 2px 0px 0px; line-height: 91%; letter-spacing: 1px;">Lugar, Com quem, Humor</div></div>
<div style="width: 500px; text-align: justify; color: #333; font-family: tahoma; font-size: 12px;">Aqui vai a postagem.

[spoiler="Itens"]Aqui vão os Itens[/spoiler]

[spoiler="Poderes Passivos - Hécate"]Aqui vão os passivos de Hécate[/spoiler]

[spoiler="Poderes Passivos - Sacerdotisa de Nyx"]Aqui vão os passivos de Sacerdotisa[/spoiler]
</div></center><center>[url=http://mydiamondresources.forumeiros.com/u2]❄[/url]</center>
© HARDROCK
avatar
Deusa
$D :
680

Mensagens :
55

Data de inscrição :
29/11/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [TREINOS] Freya Magnum

Mensagem por Freya Magnum em Seg Jul 17, 2017 12:27 am


Arqueira da Noite
Arena, Outros Semideuses, Ansiosa

Eu nunca gostei de combates e abrir mão deles para seguir Nyx foi uma das escolhas mais fáceis que eu fiz desde que sai de casa com meu irmão. Claro que eu queria defender aqueles que eu amava e manter eles seguros, porém acreditava que haviam meios de fazer isso sem o derramamento de sangue. Ainda sim, eu já havia aceito a realidade da vida de um semideus: nós sempre seriamos perseguidos por monstros e outros semideuses, aliados a divindades opostas a seja lá quem nós nos aliássemos. Meu guardião não estaria disponível todo o tempo para me salvar e nem toda ameaça poderia ser resolvida por ele sozinho, portanto sabia que teria que, uma hora ou outra, lutar por minha própria vida. Espero que minha senhora também entendesse aquilo e não houvesse punições para mim para o caso de ser preciso combater.

De todo modo, quando fui tocada pela deusa, entre meus presentes estava um arco. Havia também um Cetro, o Livro das Sombras e o Manto da Noite. Instintivamente, eu sabia que poderia usar o cetro com facilidade e de modo intuitivo, não achava que fosse preciso começar a treinar o manejo do mesmo em desespero. Por tal motivo, decidi que praticaria o uso do arco que já não havia esse mesmo talento inato, pois me parecia melhor saber usar meu presente quando fosse preciso. Por tal motivo, peguei alguma das minhas coisas e sai do chalé de Hécate, trajando-me de modo simples. Vestia a blusa laranja do Acampamento, um short jeans e tênis negros de cano médio. Os cabelos negros estavam presos em um rabo de cavalo alto, entretanto duas finas mechas de cabelo estavam emoldurando minha face clara. Nos olhos, delineador e lápis de olho destacavam os olhos com um traçar que os tornava meio felinos. Em meu pescoço, um colar com pingente de lua se mostrava presente e, no pulso esquerdo, uma pulseira com pingente de obsidiana. No pulso oposto a pulseira, havia a tatuagem da tiara.

Fui o mais discreta que consegui para entrar no lugar, tendo um sucesso relativamente alto nessa tentativa: a maioria dos semideuses ali estava ocupada, então só um ou outro que ia embora ou estava chegando notaram minha presença. Eu transformei o colar em meu Manto da Noite, pois queria me acostumar a me mover utilizando-o, pois sabia que poderia me dar uma vantagem lá fora. Na parte de manejo de arcos da arena, vários alvos estavam espalhados em diversos ângulos e distâncias, além de alvos móveis projetados por filhos de Hefesto especialmente para os treinos da arena. Filhos de Apolo, Iris e Eros praticavam com arcos e bestas ali, atirando de forma surpreendente. Queria ter metade do talento deles com essas armas, dificilmente teria algo próximo algum dia. Aproximei-me de um dos alvos ali presentes, ficando a quinze metros dele e fazendo a transformação de pulseira para arco.

Mais uma vez, fiquei encantado pela aparência deste, liso e belo. Minha mão esquerda estava segurando o presente da deusa. Com a destra, puxei a corda da arma e flecha formou-se com tal ato. A tensão da mesma era estranha para mim e admito que exigia mais força do que eu achava possuir. Havia ouvido dizer que as bestas foram criadas para diminuir a força necessária para disparar os projeteis. Quando soltei a corda, a seta voou e passou a alguns metros do alvo. Tentei mais uma vez, sentindo a tensão não familiar do arco. Dessa vez tentei mirar melhor e soltei a flecha quando achei que estava na linha certa. Por mais uma vez, a flecha errou o alvo mais me pareceu melhor do que antes. Ia fazer a terceira flecha quando senti uma mão tocar meu ombro. Olhei por cima do ombro, franzindo o cenho, e havia semideus que parecia filho de Apolo ali, olhando-me com um sorriso largo nos lábios.

Desculpe interromper, achei apenas que precisava de ajuda com o arco. Não parece ser muito experiente com o arco. — Era tão obvio assim minha falta de habilidade? Suspirei e concordei com a cabeça, abaixando a arma antes de falar. A curiosidade do rapaz pela arma era evidente.

Ganhei o arco a pouco tempo e nunca treinei com a arma antes. Não faço ideia de como usar. Você poderia tentar me ensinar? Juro que aprendo rápido se aceitar me ensinar.

Ou pelo menos tentaria aprender rápido, caso ele aceitasse me ensinar. Eu não era um gênio para aprender coisas tão rápido ou mesmo uma semideusa ligada a guerra ou divindade arqueira, portanto não devia ser tão rápido quanto eu gostaria. Foi mais ou menos ai que me recordei da tiara. A idiota poderia, o tempo todo, ter tentado usar os conhecimentos de combate para facilitar, mas não... Esquecera-se completamente daquilo. Bati em minha própria testa com a mão destra, me xingando pelo esquecimento em pensamentos. O rapaz olhou sem entender e então tentei me explicar.

Não é nada que você deva se preocupar, apenas me esqueci de uma coisa. — Não diria o que havia esquecido e sabia não dever informações a ele. Já prevendo a pergunta sobre o que havia esquecido vindo dele, dei um sorriso forçado para o homem e sugeri de maneira sutil. — Pode me ajudar agora?

Ah, claro. — O rubor tocou a face bronzeada dele e ele se colocou ao meu lado, olhando minha postura com atenção. Então ele ajeitou meus ombros e coluna, separou meus pés um pouco e me fez ficar de lado, com o braço esquerdo a frente.

Assim é melhor para atirar, acredite. — Instintivamente, ergui o braço em que segurava a arma de modo que a flecha pudesse ficar mais ou menos na altura dos meus olhos. Parecendo satisfeito, o jovem prosseguiu com a voz animada e um sotaque, que apenas notei agora, que não parecia ser americano, apesar de eu não saber de onde o rapaz, cujo nome eu não sabia, era.

Agora, coloque uma flecha no arco, mas não dispare. Sinta sua respiração e a flecha, olhe o lugar para onde ela vai. Sinta o vento e tente imaginar como afeta no voo de sua seta.

Conforme ele falava, tentei imaginar o projetil atingindo o alvo, seu voo e a ação do vento, como me fora sugerido. Percebi que, apesar de serem setas feitas de energia, muitas variáveis poderiam afetar seu voo. Ouvi-o me falando para ajeitar o angulo do arco com base no vento, para quando a flecha fosse empurrada por ele. Ergui levemente o alvo para corrigir o problema da perca de velocidade e altura e parei para sentir o vento. A brisa vinha da esquerda para a direita, então a flecha seria empurrada para direita. Para compensar esse detalhe, levei o arco um pouco a esquerda para que o vento não atrapalhasse o alvo. Soltei a flecha junto da respiração e quase gritei de alegria quando ela acertou o alvo. Não fora no centro e o disparo não era perfeito.

A flecha havia atingido o circulo negro externo - o primeiro dos negros -, ao invés de atingir o amarelo interno e fora mais alto do que achei que iria, mas já era um começo, não é? O rapaz comemorou comigo o acerto, como se fosse algo muito grande. Mas sabia que era mais para me motivar do que por achar realmente um disparo brilhante. Preparei a próxima flecha e tentei abaixa-la um pouco e colocar mais para a direita. A ponta do projetil estava sendo usada para que eu medisse as mudanças de angulo. Ao me sentir segura para que a flecha fosse liberada e guiada até o alvo certo, soltei a flecha.

O resultado do esforço foi a seta atingir o alvo de modo a ficar meio no circulo azul e meio no vermelho. Fora um pouco baixa demais, porém. Ouvi o rapaz dizendo para continuar tentando e, pelo som, achei que ele se afastara para ir a algum lugar, mas não olhei para ver. Disparei mais uma flecha e depois outra, ajustando ângulos de elevação e tentando perceber o vento o suficiente para ter uma ideia básica de como afetaria em minha flecha. A Lua Minguante parecia me ajudar um pouco a considerar aquilo e facilitava meu trabalho - um pouco - com seus conhecimentos de combate trazidos de só os deuses sabiam onde.

Minha habilidade tinha um avanço lento, porém constante. Era melhor do que nada, não é? Acertar o alvo, para quem nem isso conseguia antes, já era um principio de vitória e cada vez estar mais perto do centro e errando com menos frequência era uma enorme conquista. Claro que ainda havia muitas flechas que não acertavam o alvo, outras que eu errava miseravelmente o ângulo e acertava para cima e para o lado demais. Ou para baixo de mais. Algumas atingiam o chão e, caso estivesse mirando nele, ainda teria sido um disparo ruim.

[...]

Sem a resistência necessária, o arco e seu manejo foram mais cansativos para mim do que seria caso eu tivesse um preparo físico melhor. Arfando, o arco voltou a ser uma pulseira e eu puxei o capuz do manto que eu usava, me tornando invisível. Iria retornar ao chalé para me jogar em cima da cama e descansar um pouco. Talvez até dormisse um bocado antes de ir fazer outra coisa, ao invés de apenas descansar, quem sabe.

Deitada na minha cama no chalé, eu constatei que havia me tornado mais insistente - ou seria teimosa o termo certo? - do que era antes de chegar ao Acampamento. Se não fosse por tamanha insistência, teria desistido daquilo pelo trabalho que estava tendo com um alvo imóvel e a uma distância pequena. Mas desistir significava a morte lá fora e também decepcionar a pessoa mais importante para mim. Este último era uma falha que eu via como imperdoável.


Itens:
Lua Minguante / Tiara [Essa tiara pode ser tida como “Sábia”, quando utilizada pelo filho de Hécate, o semideus demonstra ter uma sabedoria que abrange vários assuntos podendo ir desde magias/feitiços/rituais (embora não consiga realizá-los) até conhecimentos de batalhas, o jovem também pode entender de plantas e ervas venenosas. A tiara é invisível e pode ser utilizada o tempo todo já que quando utilizada parece apenas uma tatuagem, ou seja, não tem peso. Para retira-la basta tocar a lua na tiara que ela se torna física.]

Manto da Noite. Nyx possui um manto que a deixa invisível e inaudível perante os mortais. Suas seguidoras recebem um manto igual ao de sua patrona, que consegue deixá-las invisíveis e inaudíveis enquanto estiverem com o mesmo. É preto, semelhante a uma capa e para que o mesmo tenha efeito, devem colocar o capuz. A capa é indestrutível, suportando qualquer temperatura, e não pode ser rasgada ou furada. Transforma-se em um colar com um pingente em forma de meia lua, e sempre que é perdido retorna a sua dona em até 1 hora.

Árch. Um arco feito de obsidiana, sendo completamente negro e liso, sem nenhuma marca ou pedra nele. Tem o formato de meia lua, e se adapta ao tamanho da Sacerdotisa e também à empunhadura da mesma, sendo ela destra, canhota ou ambidestra. Não há uma aljava, pois as flechas são formadas pela energia da noite assim que o cordel é puxado. Transforma-se em uma pulseira com um pingente de obsidiana.

Poderes Passivos - Hécate:
Nenhum relevante ao treinamento.

Poderes Passivos - Sacerdotisa de Nyx:
۞Imortalidade Parcial. Por ser a deusa conhecedora da imortalidade dos deuses, Nyx concede essa benção para suas seguidoras, que se tornam parcialmente imortais: as sacerdotisas não serão acometidas por velhice ou morrerão por doenças — embora ainda possam ficar doentes —, mas podem tombar em batalha, ou morrer caso sejam envenenadas.

Extra - Alvo Base:

avatar
Deusa
$D :
680

Mensagens :
55

Data de inscrição :
29/11/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [TREINOS] Freya Magnum

Mensagem por Freya Magnum Ontem à(s) 2:47 am


Small Items of Rituals
Arena, alguns semideuses, um pouco insegura

Adagas, punhais e athames são itens muito comuns em rituais e cerimônias mágicas, em várias culturas e religiões. Em algumas, representavam os aspectos masculinos da vida ou de uma divindade. Em outras, apenas era um meio de liberar a vida contida no sangue ou unir os elementos presentes no ritual. Mas não havia caminhado até a Arena para ponderar como outras pessoas usavam laminas pequenas para fins mágicos. O motivo da minha ida era claro: eu queria aprender a usar aquele item, pois apenas uma arma de longa distância, armas de bruxas (cajados e cetros) e uma lança poderiam não ser o suficiente. Compreendendo o uso de várias armas e sabendo o minimo de cada uma, as chances de sair viva eram infinitamente maiores. O por quê de eu afirmar isso? O motivo era bem simples: ao aprender como usar, você também aprende instintivamente como se defender.





Itens:
• Adaga de Bronze Celestial

Lua Minguante / Tiara [Essa tiara pode ser tida como “Sábia”, quando utilizada pelo filho de Hécate, o semideus demonstra ter uma sabedoria que abrange vários assuntos podendo ir desde magias/feitiços/rituais (embora não consiga realizá-los) até conhecimentos de batalhas, o jovem também pode entender de plantas e ervas venenosas. A tiara é invisível e pode ser utilizada o tempo todo já que quando utilizada parece apenas uma tatuagem, ou seja, não tem peso. Para retira-la basta tocar a lua na tiara que ela se torna física.]

Manto da Noite: Nyx possui um manto que a deixa invisível e inaudível perante os mortais. Suas seguidoras recebem um manto igual ao de sua patrona, que consegue deixá-las invisíveis e inaudíveis enquanto estiverem com o mesmo. É preto, semelhante a uma capa e para que o mesmo tenha efeito, devem colocar o capuz. A capa é indestrutível, suportando qualquer temperatura, e não pode ser rasgada ou furada. Transforma-se em um colar com um pingente em forma de meia lua, e sempre que é perdido retorna a sua dona em até 1 hora.

Poderes Passivos - Hécate:
Nenhum poder afetando

Poderes Passivos - Sacerdotisa de Nyx:
۞Imortalidade Parcial. Por ser a deusa conhecedora da imortalidade dos deuses, Nyx concede essa benção para suas seguidoras, que se tornam parcialmente imortais: as sacerdotisas não serão acometidas por velhice ou morrerão por doenças — embora ainda possam ficar doentes —, mas podem tombar em batalha, ou morrer caso sejam envenenadas.
avatar
Deusa
$D :
680

Mensagens :
55

Data de inscrição :
29/11/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [TREINOS] Freya Magnum

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum