.


    Ficha - Myrella

    Compartilhe
    avatar
    Malévola

    $D : 1517
    Mensagens : 95
    Data de inscrição : 29/11/2015

    Ficha - Myrella

    Mensagem por Malévola em Qui Dez 07, 2017 11:30 pm

    Ficha - Mago

    Nome: Myrella von Horn
    Tradição: Verbena (Seguidores da Lua)
    Essência: Investigador
    Conceito: Curandeira Sábia
    Natureza: Filantropa
    Comportamento: Perfeccionista
    Descrição ou imagem: Myrella possui cabelos da cor do cobre polido ondulados e com volume controlado através de produtos e hidratações constantes que lhe iam até o meio das costas, olhos verdes expressivos e a pele clara, traços que herdou de seu pai. Com um metro e cinquenta de altura e pesando cinquenta quilocalorias, tem uma boa aparência que herdou de sua falecida mãe.
    Imagem:

    2. Atributos

    Físicos (03)
    - Força: 01+ 01 = 02
    - Destreza: 01+ 01= 02
    - Vigor: 01+ 01 = 02

    Sociais (05)
    - Carisma: 01 + 02 = 03
    - Manipulação: 01 + 01 = 02
    - Aparência: 01 + 02 = 03

    Mentais (07)
    - Percepção: 01 + 02 = 03
    - Inteligência: 01 + 03 = 04
    - Raciocínio: 01 + 02 = 03

    3. Habilidades

    Talentos (09)
    - Prontidão: 02
    - Esportes:
    - Briga: 01
    - Esquiva: 02
    - Empatia: 01
    - Expressão:
    - Intimidação:
    - Consciência: 02
    - Instrução:
    - Intuição: 01
    - Manha:
    - Lábia:

    Perícias (05)
    - Dô:
    - Empatia c/ Animais: 01
    - Ofícios:
    - Condução:
    - Etiqueta: 02
    - Armas de Fogo:
    - Armas Brancas: 01
    - Liderança:
    - Segurança:
    - Furtividade:
    - Sobrevivência:
    - Tecnologia: 01

    Conhecimentos (13)
    - Acadêmicos: 01
    - Computador: 02
    - Finanças:
    - Cosmologia: 02
    - Investigação: 02
    - Direito:
    - Linguística: 01
    - Medicina: 01
    - Ocultismo: 02
    - Política:
    - Ciências: 01
    - Cultura (Garou): 01

    Virtudes (07)
    - Consciência: 01 + 03 = 04
    - Autocontrole: 01 + 02 = 03
    - Coragem: 01 + 02 = 03

    Humanidade: 07

    Força de Vontade: 5 (inicial)

    Antecedentes: (07) Raça Pura  (5), Riqueza (2 +3), Nodo (1), Avatar (4), Aliados (1)

    Arete: 1 (inicial)

    Esferas:
    Correspondência:
    Entropia:
    Forças: 1
    Vida: 1 (Tradição)
    Mente: 1
    Matéria: 1
    Primórdio: 1
    Espírito: 1
    Tempo:

    Quintessência: 4

    Paradoxo:


    Qualidades: Parente Metamorfo (Grátis), Vida Longa (1 pt), Toque da Vida (3 pts), Centelha da Vida (5 pt), Mansão  (3 pt)

    Defeitos: Língua de Bardo (-1 pt), Fobia (-2 pt: altura), Alergia (-1 pt: polem), Compulsão  (-2 pt), Estatura Baixa (-1 pt)

    Equipamentos (Carregados): Celular Moto Z Play, Chaves (Casa e Carro), Documentos, Bolsa Médica (com pomadas, remédios e outros material de primeiros socorros), Caderno de Anotações.
    Posses: Notebook, material da faculdade.



    6. Prelúdio

    O sangue é mais grosso que a água, meus pais disseram tantas vezes antes de morrem em um trágico acidente de carro quando voltavam para a cidade de Nova York após uma conferência de meu pai. Eu tinha doze anos na época e, desde então, venho sido criada por meu irmão, Gael von Horn. Diferente de mim, ele tinha os cabelos ruivos de nossa mãe e estatura alta de nosso pai, mas não era apenas isso que eu e meu amado irmão havíamos herdado de nossos pais. Tal como nossa mãe, ele havia herdado o Lobo e eu havia herdado o sangue puro de nossa família, marcando que era uma... Parente. Descobri tal coisa quando me deparei com meu irmão transformado em um lobo humanoide de pelo menos uns três metros de altura e com mais que o dobro do peso e músculos da forma humana. A pelagem era ruiva dele estava manchada de sangue e a dor e medo dele eram palpáveis no ar. Andei até aquela criatura, sentindo algum tremor. A cabeça dele se inclinou para o lado, parecendo meu cachorro quando falava com ele, e me observou. Gael me deixou toca-lo e me lembro de tentar acalmar e consolar aquela criatura.

    Ele havia tido sua primeira Mudança e matado a vadia da ex-namorada dele e o amante dela. Os empregados haviam deixado eles entrarem na casa e Gael os pedou fazendo sexo na cama dele. Definitivamente aquilo o deixou com muito ódio e gerou a transformação. Não como os criados estavam vivos, mas haviam conseguido escapar da ira do filhote. No ano que de seguiu, ele havia sido treinado e educado pelos lobisomens da região pertencentes a nossa tribo, os Fianna, e não fazia ideia de como havia sido aquilo. Apesar de não poder acompanhar os treinos e ensinamentos, os anciões foram gentis o suficiente para me ensinar um pouco da cultura Garou.

    Nesse período, aprendi minha função como Parente. Eu devia ajudar a nação Garou como poderia e a herança de nossos pais, que incluíam ações em empresas e o que eles acumularam com o trabalho de meu pai como um neurocirurgião de sucesso e renome podia ser útil para mantermos... As coisas tão bem quanto poderíamos com dinheiro. Compramos uma casa maior, investimos mais em segurança, mantivemos os empregados leais e comecei a procurar refúgio na religião e cultos pagões. Fui me encontrar em meio a religião Wicca, que tinha muitas semelhança com o que viria a ser a minha Tradição mágica. Mas apesar das crenças similares, nada poderia me deixar pronta para o Despertar, nem meu amor a deusa Gaya.

    Meu despertar ocorreu um ou dois anos após meu irmão virar um cachorro gigante. Voltava para casa a pé, após sair da casa de uma amiga quando ainda estava no segundo ano do ensino médio. Estava passando por uma rua vazia enquanto ligava para meu irmão para perguntar se queria que eu levasse algo da rua. Não havia visto que nessa hora dois homens me seguiam e pouco após fui abordada por eles. Ia pegar um atalho pelo Central Park, ainda aberto, quando percebi eles e apressei o passo. Me embrenhando por entre as árvores, vi pela primeira vez o que seria um familiar. Uma driade estava observando e demorei a notar a presença dela e do homem próximo. Ele tinha uma aparência selvagem, mas não ruim. Sua mão agarrou meu pulso, me puxando para as árvores e meus perseguidores passaram direto por nós, apressados. Foi quando meus olhos assimilaram o espírito de árvore presente e o homem. Sem palavras, os observei por um tempo e um véu começou a se desfazer na minha mente. Conhecia aquele homem, era o alto-sacerdote do meu grupo Wicca. Devia ter seus algo por volta de seus trinta e cinco anos e era a presença paterna que não tinha a algum tempo.

    Foi algo complicado. Queria entender o que, diabos, era aquela driade e ao mesmo tempo ir embora. Não era a coisa mais bizarra que já vi, mas era algo diferente de um cachorro gigante que estraçalhava corpos em fúria. James ficou surpreso por eu não ter surtado e lembro de ter dito que nada que um garou não pudeese te deixar preparada para ver. Com transformações lupinas, Dons e Espíritos dificilmente iria estranhar aquilo. Fui levada para casa após mais de meia hora dele dizendo que ninguém podia ver ou saber daquilo além de, talvez, meu irmão. A única coisa que queria na hora era fugir e me isolar no quarto. Que se dane o resto. Quando cheguei em casa, jantei com meu irmão e discutimos sobre o que ele e os irmãos de tribo dele planejavam fazer com um traidor da seita. Pelo menos ele não tinha problemas em me atualizar sobre o que acontecia na Nação Garou.

    Nos dias que se seguiram, perguntei a ele e a um theurge sobre espíritos das árvores com corpo físico além da árvore e queriam saber o motivo da pergunta. Tentei explicar que achava que vi algo assim, mas evitava entrar em muitos detalhes sobre tudo aquilo. Mas quando minha mente "aceitou" o que aconteceu e estava pronta, procurei James para compreender melhor o que havia visto. Nos vários dias, semanas e meses que se seguiram, aprendi mais da sociedade mágika e sobre as tradições. Por similaridade, acabei me afeiçoando pelos Verbena e procurei formas de me unir a eles, começando meu treinamento formal com eles.

    Revelei ao meu irmão sobre o Despertar e que queria... Treinar com os magos. Se houve brigas e confusão? Claro, mas o argumento de que era um plano de Gaya para que eu pudesse ajudar os seus guerreiros era forte o suficiente para que ele não decidisse me expulsar de casa. A partir desse dia, treinava e me aprofundava mais e mais nas culturas de ambos os lados. Me formei na escola e entrei quase imediatamente para a faculdade de Medicina. Queria cuidar das pessoas quando não estava ocupada sendo uma espécie de xamã para os Fianna.

    Havia procurado e tentado resgatar o máximo dos cultos celtas antigos, o que me fez estudar não a esfera da Vida como também as Forças da natureza, o Espírito e outros ramos que poderiam ajudar nossa tribo. Eu agora planejava conhecer e aprender Dons para poder melhorar minha ajuda na tribo. Nas férias de primavera, fui para a Irlanda do Norte pesquisar mais sobre a tribo e também minha família, aproveitando também para me aprofundar mais no idioma irlandês. Quando voltei que soube que alguns magos da cidade haviam sido levados por "homens de preto". James os descreveu apenas como problemas dos grandes e membros da Tecnocracia, mas não sabia como ou porque eram problemas.

    Foi quando soube do pedido de ajuda de Arctos e decidi... Atender ao pedido. A união as vezes era boa e os problemas de vampiros, lobisomens e magos poderiam ser ainda piores... Se juntos.

      Data/hora atual: Seg Dez 18, 2017 3:33 pm